• U.S. Network for Democracy in Brazil

U.S. Representatives to Biden Administration: Speak Up for Indigenous Rights in the Brazilian Amazon

Updated: Mar 31

U.S. congresspeople express their deep concern for the dangerous situation facing Brazill’s Munduruku Indigenous people and encourage the Biden Administration to add its voice






Press Release

[Em português abaixo]


Washington, DC - The Biden Administration should express concern to Brazilian President Jair Bolsonaro about the explosive situation facing the Munduruku Indigenous people in the heart of the Brazilian Amazon, at least eight members of the U.S. House of Representatives said today in a letter to U.S. Ambassador to Brazil Todd Chapman, led by Rep Raúl Grijalva (Arizona).


Recent articles in Associated Press and Reuters have detailed the rising tensions between Munduruku communities and armed illegal miners who are bringing expensive, heavy equipment into areas of Munduruku territory. There is currently a lack of political will to enforce the law and expel the miners from the region. Though the threat of mining in Munduruku lands predates the current crisis, the situation escalated as of mid-March with the latest invasion of miners in the previously untouched region of Igarapé Baunilha, in Jacareacanga.


“In the face of this potentially explosive situation, we believe that the United States government can and should invest diplomatic capital to encourage the Brazilian authorities to take action,” the letter states. “We encourage you to raise these urgent concerns with President Bolsonaro and Environment Minister Ricardo Salles and to inquire about the concrete actions they are taking to expel illegal miners from Munduruku territory. Undoubtedly, they have the expertise and the means, what has been clearly lacking is the political will.”


Brazil’s Prosecutor’s Office, known as the Ministerio Público Federal (MPF) has sounded the public alarm through a series of press releases, noting an evident lack of government action to arrest the invasion of miners. According to the MPF, Environment Minister Salles took the extraordinary step of canceling a previously planned enforcement action against miners in October of last year. This echoes similar claims made by a recent Reuters special report, which documented an instance in August of last year in which enforcement actions by Brazil’s Federal Environmental Agency (IBAMA) were stopped by the Brazilian military, under the guise of needing Munduruku prior consent.


The situation further escalated this past week when the Munduruku Women’s Association offices in the town of Jacareacanga, on the edge of the Munduruku territory, were attacked and vandalized with graffiti stating, “NGOs Out” and “Federals Out.” This threatening action was immediately denounced by Brazilian Indigenous federations like the Coordinating Body of Indigenous Organizations of the Brazilian Amazon (COIAB) and Brazilian human rights groups such as the Indiginist Missionary Council (CIMI).


“The COVID-19 pandemic has killed more than a thousand Indigenous people across Brazil. Today, with the 300 thousand plus deaths, Brazil is the most dangerous country for its own citizens. The government, which repeatedly opposed scientific recommendations, has only been increasingly worsening the situation”, said Juliana Moraes, Executive Director of the Washington Brazil Office, the advocacy arm of the U.S. Network for Democracy in Brazil. “The Brazilian authorities must enforce existing environmental laws and evict these illegal miners who, along with other groups driving deforestation, did not stop working in spite of the pandemic. Deforestation and Indigenous conflicts have been rising since Bolsonaro took office. It’s unacceptable for Brazil and the world to have a president who works for the extermination of the Amazon’s people, fauna and flora.”


“The fact that Brazilians have been calling Bolsonaro a genocidal should not be taken lightly by the Biden-Harris Administration,” added Moraes. “This goes well beyond the horrible situation faced by the Munduruku Peoples. After multiple denunciations for crimes against humanity with regards to how the Brazilian government behaved amidst the pandemic and for a genocide against Indigenous peoples made before the International Criminal Court, one case has been accepted and is now under evaluation. This is the first time that the ICC analyzes a case about a Brazilian president.”


This crisis takes place in the context of ongoing discussions between the incoming Biden Administration and the Bolsonaro government about the protection of the Amazon rainforest. This past Friday the White House announced it had invited Bolsonaro to the April 22 - 23 Leader’s Summit on Climate, among a group of 40 world leaders.


“As part of a disingenuous public relations campaign, the Bolsonaro propaganda machine has touted their interest to ‘sustainably develop’ the Amazon for an international audience,” said Andrew Miller, Advocacy Director for Amazon Watch. “A generalized environment of illegality, impunity, rampant environmental destruction, flagrant violations of Indigenous territorial rights and threats of physical violence are inimical to any concept of sustainable development.”


“The Biden Administration should join the growing international concern for the escalating conflict brewing among Munduruku Indigenous communities in the heart of the Brazilian Amazon,” Miller added. “As illegal miners continue to invade Munduruku territory – with the encouragement of the Bolsonaro government – the threat of violence intensifies while actions to intimidate Munduruku leaders continue.”


In addition to overt violence, the miners pose a mortal threat as likely carriers of COVID-19 into remote regions, as highlighted by the Inter-American Human Rights Commission precautionary measures issued on December 11, 2021.


Background


The Munduruku people in the Brazilian Amazon have been internationally recognized for their nonviolent resistance to many different threats to their territories and way of life. In 2015 the Ipereg Ayu Munduruku Movement was recognized by the UN Development Project with the Equator Prize. Last year, Alessandra Korap Mundurku, a woman leader of the Munduruku people, received the Robert F Kennedy Human Rights Prize and was lauded by John Kerry who said "We need millions more of you, so thank you, congratulations on this terrific honor– the Robert F. Kennedy Human Rights Award. And I know you will continue to be part of this great battle. I look forward to fighting alongside."


The Association of Brazil’s Indigenous Peoples (APIB) has submitted a letter to President Biden and Secretary Kerry’s team asking for there to be an open consultation channel between the US government and Brazilian Indigenous leaders and civil society. Given the proven inability to protect the Amazon and other biomes, the US government might contribute to the problem by attempting to negotiate an Amazon protection plan with the Bolsonaro-Mourão Administration.


The full text of the letter can be found below.


2021_03_29_US Embassy in Brazil_ Munduru
.
Download • 148KB

***************************


Parlamentares dos EUA para a Administração Biden: Manifeste-se pelos Direitos Indígenas na Amazônia Brasileira


Congressistas dos EUA expressam sua profunda preocupação com a situação perigosa que os povos indígenas Munduruku do Brasil enfrentam e encorajam o governo Biden a somar sua voz


Washington, DC - O governo Biden deve expressar preocupação ao presidente brasileiro Jair Bolsonaro sobre a situação explosiva que os índios Munduruku enfrentam no coração da Amazônia brasileira, pelo menos oito membros da Câmara dos Deputados dos EUA disseram hoje em uma carta ao Embaixador dos EUA para o Brasil Todd Chapman, liderada pelo Deputado Raúl Grijalva (Arizona).


Artigos recentes na Associated Press e Reuters detalharam as crescentes tensões entre as comunidades Munduruku e os mineiros ilegais armados que estão trazendo equipamentos pesados e caros para áreas do território Munduruku. Atualmente falta vontade política para cumprir a lei e expulsar os mineiros da região. Embora a ameaça de mineração em terras Munduruku anteceda a crise atual, a situação agravou-se a partir de meados de março, com a última invasão de garimpeiros na região até então intocada de Igarapé Baunilha, em Jacareacanga.


“Diante dessa situação potencialmente explosiva, acreditamos que o governo dos Estados Unidos pode e deve investir capital diplomático para incentivar as autoridades brasileiras a agirem”, afirma a carta. “Nós os encorajamos a manifestar essas preocupações urgentes com o presidente Bolsonaro e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a indagar sobre as ações concretas que estão tomando para expulsar os mineiros ilegais do território Munduruku. Sem dúvida, eles têm a expertise e os meios, o que claramente tem faltado é vontade política”.


O Ministério Público Federal (MPF) fez um alerta público por meio de uma série de comunicados à imprensa, observando uma evidente falta de ação governamental para deter a invasão de mineiros. De acordo com o MPF, o Ministro do Meio Ambiente Salles tomou a medida extraordinária de cancelar uma ação de repressão previamente planejada contra os mineiros em outubro do ano passado. Isso ecoa afirmações semelhantes feitas por um relatório especial recente da Reuters, que documentou um evento em agosto do ano passado em que as ações de fiscalização da Agência Ambiental Federal do Brasil (IBAMA) foram interrompidas pelos militares brasileiros, sob o pretexto de precisar do consentimento prévio dos Mundurukus.


A situação agravou-se ainda mais na semana passada, quando os escritórios da Associação de Mulheres Munduruku na cidade de Jacareacanga, nos limites do território Munduruku, foram atacados e vandalizados com pichações dizendo "ONGs fora" e "Federais fora". Essa ação ameaçadora foi denunciada imediatamente por federações indígenas brasileiras, como a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) e grupos brasileiros de direitos humanos, como o Conselho Indigenista Missionário (CIMI).



“A pandemia COVID-19 já matou mais de mil indígenas em todo o Brasil. Hoje, com mais de 300 mil mortes, o Brasil é o país mais perigoso para seus próprios cidadãos. O governo, que repetidamente se opõe às recomendações científicas, só piora cada vez mais a situação ”, disse Juliana Moraes, Diretora Executiva do Washington Brazil Office, braço de defesa da Rede dos EUA pela Democracia no Brasil. “As autoridades brasileiras devem cumprir as leis ambientais existentes e expulsar esses mineiros ilegais que, junto com outros grupos que impulsionam o desmatamento, não pararam de trabalhar apesar da pandemia. O desmatamento e os conflitos indígenas têm aumentado desde que Bolsonaro assumiu o cargo. É inaceitável para o Brasil e o mundo ter um presidente que trabalhe pelo extermínio do povo, da fauna e da flora da Amazônia. ”


“O fato de os brasileiros terem chamado Bolsonaro de genocida não deve ser encarado levianamente pelo governo Biden-Harris”, acrescentou Moraes. “Isso vai muito além da situação horrível enfrentada pelos povos Munduruku. Após múltiplas denúncias de crimes contra a humanidade sobre o comportamento do governo brasileiro em meio à pandemia e por genocídio contra povos indígenas perante o Tribunal Penal Internacional, um caso foi aceito e está em avaliação. É a primeira vez que o TPI analisa um caso de presidente brasileiro. ”




Essa crise ocorre no contexto das discussões em andamento entre o novo governo Biden e o governo Bolsonaro sobre a proteção da floresta amazônica. Na última sexta-feira, a Casa Branca anunciou que convidou Bolsonaro para a Cúpula de Líderes sobre o Clima, de 22 a 23 de abril, entre um grupo de 40 líderes mundiais.


“Como parte de uma campanha dissimulada de relações públicas, a máquina de propaganda do Bolsonaro exibia seu interesse em ‘desenvolver de forma sustentável’ a Amazônia para um público internacional”, disse Andrew Miller, Diretor de Defesa da Amazon Watch. “Um ambiente generalizado de ilegalidade, impunidade, destruição ambiental desenfreada, violações flagrantes dos direitos territoriais indígenas e ameaças de violência física são hostis a qualquer conceito de desenvolvimento sustentável.”



“O governo Biden deve se juntar à crescente preocupação internacional com a escalada do conflito entre as comunidades indígenas Munduruku no coração da Amazônia brasileira”, acrescentou Miller. “À medida que os mineiros ilegais continuam a invadir o território Munduruku - com o incentivo do governo Bolsonaro - a ameaça de violência se intensifica enquanto as ações para intimidar os líderes Munduruku continuam.”


Além da violência aberta, os mineiros representam uma ameaça mortal como prováveis ​​portadores de COVID-19 para regiões remotas, conforme destacado pelas medidas cautelares da Comissão Interamericana de Direitos Humanos emitidas em 11 de dezembro de 2021.



Histórico


O povo Munduruku na Amazônia brasileira é reconhecido internacionalmente por sua resistência não violenta a muitas ameaças diferentes a seus territórios e modo de vida. Em 2015, o Movimento Ipereg Ayu Munduruku foi reconhecido pelo Projeto de Desenvolvimento da ONU com o Prêmio Equador. No ano passado, Alessandra Korap Mundurku, uma mulher líder do povo Munduruku, recebeu o Prêmio de Direitos Humanos Robert F Kennedy e foi elogiada por John Kerry, que disse: "Precisamos de mais milhões de vocês, então obrigado, parabéns por esta honra incrível - o Prêmio Robert F. Kennedy de Direitos Humanos. E sei que você continuará fazendo parte desta grande batalha. Estou ansioso para lutar ao seu lado. "


A Associação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) enviou uma carta ao presidente Biden e à equipe do secretário Kerry solicitando que haja um canal de consulta aberto entre o governo dos EUA e os líderes indígenas brasileiros e a sociedade civil. Dada a comprovada incapacidade de proteger a Amazônia e outros biomas, o governo dos Estados Unidos pode contribuir para o problema tentando negociar um plano de proteção da Amazônia com o governo Bolsonaro-Mourão.


O texto completo da carta pode ser encontrado abaixo.


Translation - Carta Grijalva_Munduruku (
.
Download • 78KB

113 views0 comments

Recent Posts

See All

Que a Esplanada não seja o novo Capitólio

COMUNICADO DE IMPRENSA [English below] Contatos de Imprensa / Press Contacts: US Network for Democracy in Brazil - usndb@democracybrazil.org @democracybrazil James Green - james_green@brown.edu (USNDB

Bolsonaro marches against the democracy in Brazil

Mauro Menezes and Carol Proner Mauro Menezes is a lawyer, Master in Public Law, a former President of the Ethics Commission of the Presidency of the Republic of Brazil, and a member of the Brazilian A